O dia M


Passando o dia a ler aquele tipo de conversa do eu-tenho-os-melhores-avós-do-mundo não podia deixar de fazer a minha parte no que toca á questão, cá vai disto então.
Primeiro a dizer que nem todos os avós são do género fofo e carinhoso, eu tenho cá um lado da família em que infelizmente, pelo que dizem, não convivi que chegasse com a avó e o avô é tipo personagem estranha neste meu conto de fadas da nova era, portanto, muito a dizer da coisa mas não neste dia.
Depois, isto é tudo muito lindo de haver um dia em que as pessoas valorizam os maus velhos da família mas continua a ser uma pena que seja UM dia.

Agora a parte importante, os meus M's.

M's de...
Mais que muito na minha vida, de tudo o que me deram em excesso, tudo o que foram/são nesta existência.
Muito mais que companheiros de brincadeiras e partidas, de responsabilidades e noções.
Mãos que sempre me ampararam em tudo de bom que fiz, sempre que precisei e em tudo o que sabiam.
Meu Deus, o que estes dois me ensinaram, desde a ideia de poupança quando íamos ás compras, tinha direito a 100escudos e se quisesse algo mais caro tinha de poupar de semana para semana, estranhamente o carrinho trazia sempre uma surpresa e o migalheiro estava sempre cheio. Nunca vinha a pé da escola, tinha sempre um bolo quente, o almoço na mesa, a roupa á medida, o quarto das brincadeira, os buracos na terra cheios de água, as tardes na terra a plantar feijões, os passeios de domingo, os piqueniques com direito a cesta e tudo...ai meu avô as saudades que me deixas do teu cheiro e pouco falar, das tuas mãos cheias de calos e rugosas, saudades que tenho de te ouvir rir, que dor que trago cá dentro...mesmo assim tenho e sempre terei o coração cheio de amor e sentido de colo...

O outro M?
Caramba, mulher de garra que eu tenho por cá, é que é teimosa que nem tudo, não pode mas faz, sempre, por mais que se ralhe e se queria poupar a stamina não dá, não sabe estar quieta e pronto. Cada traço de si é lembrança da sua história, de uma vida cheia que nunca se esquece de nós mesmo quando os olhos se turvam de lágrimas, partilha tudo o que têm, nisso é aquela típica avó que todos querem mas de resto esqueçam a coisa...Diz asneiras (diz que sempre se portou bem e que Deus lhe perdoa umas asneirolas), é rebeldes e não têm papas na língua, peida-se á nossa frente e diz " o que é que foi isso?!!" e ri-se quando cheira mal...

Hoje liguei-lhe e quando ela atendeu gritei:
-Feliz dia dos avós M
-Olá netinha, sabes quando é o dia dos netos?
-Oh vó, bolas, somos uns coitados, nem um dia temos já viste?
-Deixa lá filha, para mim é todos os dias.

Engoli em seco, já devia saber que não ia entregar o "feliz dia avó" sem levar uma de volta.

-Então e como é que estás hoje?
-Bem, sabes , agora passo muito tempo deitada, mas deixa lá isso, está tudo bem ai?

2 x 0 ganha ela
...

-Sabes, o teu avô gostava muito de vocês...mas agora eu gosto por ele

Pimba, 3 x 0
...

-Olha, quando o teu pai vier para cima vou para ai, deves ter muita roupa para passar.

4 x 0
...

-Pronto vó, já cheguei a casa, depois agente fala mais um bocadinho tá?
-Ainda bem que existe aquela coisa nos telemóveis que dá para falarmos muito sem pagar.
-O tarifário vó!
-Eu sei, então amanhã eu ligo por causo do teu dia.
-Hã!
-Dos netos, és mesmo esquecida, xau!
5 x 0

Ah, passei o dia a ler a coisa do os avós dão guito e dizem que estamos magros, bem, a parte dos tostões é verdade (ainda hoje me dá ás escondidas e diz sempre "não tenho mais mas leva este" e não vale a pena dizer que lhe pode fazer falta que ela faz aquele olhar de gato das botas e pronto) mas de resto, e parece que sou a única por aqui, levo sempre com:

-Estás mais gordinha
-A comer assim não vais caber na roupa
-Mas estás bem assim, não tens fome, já almoças-te?
-Queres levar salsa, hortelã, ovos, batatas?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo