Resoluções de ano novo


Sim, porque eu faço isto no meu dia de anos, e, adivinhem lá quem faz anos hoje?
De todas as coisas deste meu ano que acaba, poderiam dizer muita coisa mas acho que a primeira que vos tenho que dizer é que me sinto muito agradecida por estarem aí. Acontece que este ano não foi dos mais doces, houve com toda a certeza muita coisa positiva mas também houve o ponto final em algumas histórias, houve o chegar ao cansaço extremo e houve também o ponto alto da minha condição de ansiosa. alguns de vós sabem o que se tem vindo a passar porque deram por falta das partilhas e do positivismos que normalmente anda por este pequeno mas gordo espaço, quiseram saber, quiseram partilhar a vossa vida comigo, pedir e dar conselhos, formulas secretas para melhorar a coisa e muitos de vocês nem sequer me conhecem pessoalmente, por isso eu agradeço, pelo carinho e por me trazerem a cima nos dias maus, vocês, meus fofinhos de serviço, batem muito forte cá dentro.
Estive mais de um mês recolhida em casa e como tal tive muito tempo para pensar no que está mal na minha vida, muito tempo para decidir, para ter medo, para repensar, para perceber como cheguei aqui, assim e como tenho que fazer para dar a volta por cima.
Valeu a pena, as decisões estão tomadas e sim são uma loucura maravilhosa que eu quero sem duvida abraçar com todo o carinho.
Percebi que sou muito boa a dar conselhos e a motivar os outros mas que não sou nada fiel ás minhas doutrinas sempre que existe a possibilidade de ajudar, apoiar ou melhorar alguma coisa na vida de alguém, eu vivo e não descanso sob os problemas dos que fazem parte da minha vida, acho sempre que posso fazer mais, melhor e talvez a diferença mas esqueci-me durante muito tempo que eu também existo. Como era mais que óbvio para uma pessoa com a minha personalidade e forma de ser, houve um dia em que a ultima gota encheu o balde, aí foi difícil, está a ser, é um desgaste que não fazia ideia que tinha até o sentir a atravessar-me como se eu fosse feita de ar.
Mas, com isto veio o lado bom. Pois que sou teimosa, daquelas mesmo ferrenhas e como assim sendo já me mentalizei que chorar não me vale de nada e que o caminho é em frente, tenho que voltar atrás, pegar em tudo aquilo que deixei e trazer de novo para mim o que quero ser, simples assim, se correr mal...olha...logo se vê!
É preferível ter em mim a tristeza de um sonho perdido do que o arrependimento de não ter tentado.
Assim sendo, para este meu novo ano espero conseguir seguir os meus próprios conselhos, espero ter a coragem de cagar para o dinheiro e correr atrás do que eu quero fazer para o resto da minha vida, porque, o que interessa é fazer aquilo que se gosta, certo?
Espero que a minha cria continue a construir um carácter forte, por mais que nos seja difícil educar uma criatura com uma personalidade tão pequenina mas tão vincada.
Espero que o meu companheiro tenha a paciência e bondade de me acompanhar nesta nova fase, para crescermos juntos e melhor.
Espero que este transtorno de ansiedade que me devora se acalme, se detenha e que me deixe viver como uma pessoa mais ou menos normal.
Espero que a minha casa seja cada vez mais um lar.
Espero que  todos á minha volta se cuidem porque este ano eu vou cuidar de mim e depois não me dá jeito nenhum andar atrás de vocês, combinado?
Espero ter a capacidade de interiorizar que as coisas e as pessoas que não interessam não tem e nem devem ter lugar de destaque na minha vida, esta vai ser difícil, tenho coisas para resolver que não têm resolução.
E por favor, que o raio do gato pare de me atacar a merda dos rolos de papel, sério, eu rifo o gato, aquele estupor, detetor de ataques de pânico de quatro patas, preto peludo dos infernos, a pessoa sabe que estamos quase no natal mas porra, chega de flocos de neve de papel não?
Prendas já sabem, qualquer coisa eu mando a morada.
E por favor, façam-me lá a vontade de crescer e multiplicar porque no inicio do ano que vem vocês vão passar a ser o meu part-time e o meu sucesso depende em 50% de vocês, e isto senhores fofinhos, é muito muito importante.

Bejinhos meus amores e feliz dia para mim.

Novidades da Cerelac

Pois que Cacóta recebeu via youzz os novos produtos da Cerelac para experimentar cá em casa e amou. Claro que primeiro só o facto de saber que há uma coisa para ela e que ainda por cima ela nem conhece as pessoas que lhe enviam as coisas (diz que é muito importante, vamos ver quanto tempo leva para achar que serve de cobaia) e ainda por cima, é comida!
Esta miúda tem o dia ganho.

É que eu até podia ser tudo o que não sou, podia ser tudo o que não se deve ser em demasia e podia faltar-me todas as qualidades do mundo. Podia ser uma ogre sem castelo, podia ser bruxa má com carta de vassoura, podia ser o pé grande sem noção do meu tamanho, podia ser uma cisne sem humildade, uma princesa com mania da importância ou uma pedindo sem o mínimo de gratidão. Podia ser também a fofa princesa encantada, a Elphaba dos tempos modernos, o pônei da generosidade, o unicórnio da perfeição, a lagarta da compaixão. Podia ser toda uma metamorfose estranha de quês e porquês, com ou sem sentido. Mas não sou mais do que aquilo que quero e decididamente sou aquilo que os outros merecem que seja e apesar de por vezes me enganar, por vezes me perder, existe em mim um caminho de pedras guiadas, deixadas num percurso outrora percorrido que me leva sempre para casa, para o meu eu, para os meus valores, para o meu ninho interno e extremamente selecionado.
E no fundo e ao fim das contas o que importa mesmo é estar perto dos que nos conhecem e que se deixam conhecer, dos que nos estimam e não nos atacam sem razão, o que importa é poder estar sozinha entre tantos e prender-me no meio deles, é assim que se cresce, que se aprende, que se cura as mágoas e que se volta a nascer.

#latenightthoughts #pensanisto #atéamanhãfofinhos

E agora, senhores e senhoras temos um grilo

Ontem quando cheguei a casa tinha mais um habitante, agora temos um grilo, passou a noite nesta casa enquanto eu pensava cá para mim que #GatoMiu lhe ia fazer a folha durante a noite como fez á lagarta que teve de ir ter com a família que precisava de ajuda com uma coisa lá na casa das lagartas. Mas não e não saiu da taça, comeu alface e aveia  e hoje foi promovido a uma mini frigideira, almoçou maçã e eu estou a ver que o gajo não me vai a lado nenhum.
Agora, #perguntaparaquemsabe
Os grilos é suposto morrerem nesta altura?
O que é que eu faço com isto?

O primeiro ataque de paniquete extremo... não foi bonito não

Dois anos nisto de lidar com ansiedade. Por vezes vai, por vezes fica e por vezes aparece de surpresa. É uma visita incomoda esta e perfeitamente dispensável. Não me venham com a conversa de que é uma reação natural e saudável ao perigo, coisa que já nos é servido em bandeja de ouro desde a época em que os dinossauros caminhavam pela terra, que raio de perigos este meu corpo acha que tem de fugir?
Todo um sem fim de fórmulas mágicas para a vida, fórmulas para ser feliz, para se organizar, para gerir tempo, para aumento de auto-estima e ainda assim nada resolve o que está solucionado. Todo um sem fim de medicinas alternativas, medicação placibo, auto-reflexão e nada. De nada vale a persistência, o querer estar ou o saber aceitar. É que, por mais que se tente e se tente a sério, há coisas que não mudam e que são difíceis de domar. Coisas que se sentem ao extremo e que penetram em nós como se nada mais de importante houvesse. Coisas banais e vulgares na grande maioria, coisas que o comum mortal desvaloriza e não quer saber. Mas apesar de todos sermos mortais, nem todos somos normais.