É que eu até podia ser tudo o que não sou, podia ser tudo o que não se deve ser em demasia e podia faltar-me todas as qualidades do mundo. Podia ser uma ogre sem castelo, podia ser bruxa má com carta de vassoura, podia ser o pé grande sem noção do meu tamanho, podia ser uma cisne sem humildade, uma princesa com mania da importância ou uma pedindo sem o mínimo de gratidão. Podia ser também a fofa princesa encantada, a Elphaba dos tempos modernos, o pônei da generosidade, o unicórnio da perfeição, a lagarta da compaixão. Podia ser toda uma metamorfose estranha de quês e porquês, com ou sem sentido. Mas não sou mais do que aquilo que quero e decididamente sou aquilo que os outros merecem que seja e apesar de por vezes me enganar, por vezes me perder, existe em mim um caminho de pedras guiadas, deixadas num percurso outrora percorrido que me leva sempre para casa, para o meu eu, para os meus valores, para o meu ninho interno e extremamente selecionado.
E no fundo e ao fim das contas o que importa mesmo é estar perto dos que nos conhecem e que se deixam conhecer, dos que nos estimam e não nos atacam sem razão, o que importa é poder estar sozinha entre tantos e prender-me no meio deles, é assim que se cresce, que se aprende, que se cura as mágoas e que se volta a nascer.

#latenightthoughts #pensanisto #atéamanhãfofinhos

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo