Olá o meu nome é Carpideira e a minha filha faz hoje, agora, um ano


A última imagem que existe da Carlota na barriga é esta.
Já tem mais de um ano.
Algures no tempo passou um ano, um ano, o melhor ano de todo o sempre, cheio de amor e novas experiências, um ano cheio de descobertas, um ano maravilhoso.
Tenho 30 anos e uma filha com 1.
Não sei como é que isto aconteceu.
Não sei usar palavras para exprimir o que sinto, coisa muito estranha para mim mas realmente nasceu um ser que me deixa sem palavras, tive de o parir mas existe, existe à 1 ano.
Tenho repetido esta e outras frazes semelhantes para ver se me convenço que é verdade, como se estivesse numa reunião de pessoas anónimas que não sabem do que sofrem mas que sem dúvida sofrem de uma qualquer patologia, julgo que se chama felicidade extrema.




Não sei como descrever isto, este medo do mundo e vontade de o viver, de mão dada com o melhor de mim, de sorriso no rosto e gargalhadas altas.
É difícil isto de ser mãe mas não por aquilo que julguei que fosse, não pela falta de tempo, pelas noites mal dormidas, as birras e as arreliações, não, nada disto é importante ou de ter em conta, o nível de dificuldade destas coisas é baixo comparado com a dificuldade que é ver o tempo passar, saber que perco sempre algum milésimo de segundo do seu desenvolvimento, é dificil lidar com este amor todo, têm dias em que acho que o meu coração vai implodir só de olhar para ela e ver como é feliz, como nada lhe falta, aquele sorriso maroto, as silabas seguindas, a compreenção fácil, a votade de aprender, credo!!!!



Tenho 30 anos e uma filha muito melhor do que esperava, perfeita, é uma miúda gira e cheia de personalidade, meiga, teimosa e de vontade própria, com um feitio lixado mas excelente.
Tenho 30 anos e não sei o que fiz para merecer isto, algures numa qualquer encarnação devo ter merecido.


É um amor tal que não podia ser só meu, é nosso e até de alguns de vós que a vêm crescer pela minha lente. É um amor tal que deixa meio mundo assim, sem saber o que fazer porque tudo o que se esperava deixa de ter importância porque ela, só ela, é um tudo, um todo, enche o coração e a alma, acaba com as preocupações em meio segundo e o resto não importa.


Olá, o meu nome é Carpideira e a minha filha fez agora um ano, acho que estou viciada nela. Quando era minúscula eu dizia muitas vezes que a ia comer.
Vontade não me faltava, de a pôr de volta no forno e ter a gaja só para mim, safada mais gostosa do mundo, como, mas como é que é possivel não me viciar nisto?


Olá o meu nome é Carpideira e a minha filha também faz birras, agora faz daquelas em que bate os dois pés, os dois, e fica de burro, e vira-me as costas e no fim quando lhe digo "sim sim, berra para aí como se o mundo fosse acabar que me estou a burrifar" ela olha para mim, limpa as grandes lágrimas e estica os braços a pedir colinho. E sim, eu morro de amores até pelas birras.



Deve de achar que vive num circo, com direito a palhaços e animais amestrados. Um dia ela vai encher a boca para dizer que os pais dela são loucos, que só lhe arranjam brincadeira parvas, que são um autêntico zoo, com direito a cavalinho, elefante e leãozinho da jungle. Um dia ela vai dizer que teve uma infancia feliz e sim, isso também me dá vontade de chorar.



E como se morre um pouco por dentro sempre que ficam doentes, as febres, os dentes, as vacinas, a bronquilite, a tosse e o nariz entupido. Tudo o que se possa fazer parece nada, não se pode carregar num botão e passar para nós. Os filhos deviam ser proibidos de ficar doentes, muito ou pouco não importa, deviam ser proibidos.


Olá o meu nome é Carpideira e acho que a minha filha se farta deste mel. Pareço uma agarrada, e morro de desconsolo quando vejo o dia a escurecer e sei que a vou buscar tarde. Rezo para ter um momento de silêncio só para mim mas depois dá-me uma coisa má por saber que está longe. Todos os dias lido com a frustração de saber que podia ir ali dar um salto à escola na hora de almoço mas não vou, já dei comigo a fazer um caminho diferente só para não ter de passar lá à porta, parece que o radar entra em fanico tipo "ela está ali, não!!! pára!! volta para trás!!! sua mãe horrivel que não vais ver a tua filha na hora de almoço, tu podes VAI LÁÁÁÁ!!!". Mas eu não vou porque sei que é o melhor que faço por ela apesar de quase me dar um ataque. 



Não chorei quando ela nasceu mas choramingo sempre com as pequenas coisas, com as silabas novas, as entoações, o dedo a apontar para o que quer, com os "hummm" quando prova coisas novas, com os pulos em resposta aos "o que é que estás a fazer?!?!". Sim, eu choramingo, ela fez de mim uma pussy. Carpideira não choraminga, nunca, JÁ MAIS. Depois Carpideira foi mãe e dois passos de mão dada me faz querer cavar um leito para chorar um rio de lágrimas felizes.



Olá o meu nome é Carpideira, a minha filha faz um ano hoje e eu sou feliz na minha crença que ela é igual a mim, na imagem, no feito, nos gostos (a começar no pai e a acabar na comida). Gosto de sentir a paz que me dá olhar para ela, calma, serena, feliz. Ver como acorda bem disposta (como eu). Quando cai faz beiço mas não chora á frente de toda a gente, vai de mão no rabo ao canto esfregar a fralda (como eu), come que é uma coisa parva (como eu também). Ela vai ser assim sempre não é?


Há sempre escolhas a fazer e nós não sei bem como temos feitos das boas. Isto de ser pais não é tarefa só para dois, estamos munidos de um apoio fenomenal, temos uma rede fantástica, desde os forçados como os avós e tios, aos escolhidos, os padrinhos, a escola, o pediatra e sua fada telefonista, os amigos, poucos mas sempre presentes que nos surpreendem com a experiencia ou falta dela. Temos como já ouvi dizer bastantes vezes um apoio que muito poucos têm e somos extremamente agradecidos por os termos, por nos acompanharem, por nos ajudarem e cuidarem dela como se a tivessem parido tanto quanto eu.


Olá o meu nome é Carpideira, tenho 30 anos e este ser maravilhoso que vocês conhecem chama-me mãmã.
Continuo sem saber como vos descrever o que sinto por ela, o que ela me faz sentir mas este ser que pari à precisamente um ano atrás, este ser que desde aí me tem sido fácil, doce e feliz, esta miúda maravilha, chama-me mamã e é a melhor coisa do meu mundo.



1 comentário:

  1. Das declarações de amor mais lindas que li até hoje! Muitos parabéns pelo aniversário da tua bebé ☺ bjinhos

    ResponderEliminar

Carpida á vontade que logo eu vejo