Os bebés perdem o cheiro

Toda a gente fala do famoso cheiro do bebé, toda a gente diz que é muito bom, muito fixe, muito desejável.
Até pode ser verdade mas no fundo toda a gente nos pintam um lindo quadro cheio de fónhónhós e na realidade não é bem assim e todo o bom que se têm advém das hormonas, as tão afamadas hormonas.
Ao nascer cheiram essencialmente a sangue e liquido amniótico que depende ao que dizem do que a mãe comeu durante a gravidez, a minha tinha um cheiro doce, tipo canela misturada com mel, ou pelo menos foi a isso que me cheirou e óbvio que me cheirou bem. Nos dias seguintes cheiram a maternidade, a suor, a quente e a felicidade, sim, é um cheiro muito parecido ao tal canela e mel mas é diferente. Depois levamos a cria para casa e o seu cheiro começa a misturar-se com todos os outros cheiros, torna-se difícil distinguir na perfeição onde começa o mel com canela e onde acaba o ambientador de alfazema. Chegam as visitas e por vezes, quando a pegava de volta ela cheirava aos outros, era minha, era mel e canela mas já não era só minha.
E as crias crescem e são como os cães, aqueles que levamos para casa pequeninos e eles com os seus pequenos dentes trituradores nos lambem com aquelas mini línguas fofas e a cheirar a leite. Depois crescem e os dentes de leite caiem, nascem os outros, a alimentação muda e as mesmas línguas fofas se tornam mais ásperas e o cheiro a leite foi-se e não volta mais.
E é aqui que mais custa esta semelhança, foi-se e nunca mais volta.
Este cheiro a nenuco que nada têm a ver com os tais ambientadores domésticos vai-se perdendo, notei essa mudança drástica após a primeira semana de creche. o cheiro foi-se, agora cheira igual a todas as outras apesar de a conseguir distinguir no seu cheiro a mel e canela, o mesmo cheiro doce, mágico, meu mas igual a todas as outras, por maior ou pior que seja a fralda cheia de poopa. O cheiro do infantário vêm para casa, eu não gosto mas não é mau, é só igual e eu pensava que era, que ia ser sempre diferente. Mas não é.
A parte boa é que o mundo da parentalidade realmente comprova que a natureza se compensa, ao mesmo tempo que elas perdem o cheiro ganham o olfato e assim, sendo o cheiro delas menos intenso no nosso mundo no mundo delas nós tornamos-nos mais reais, mais doces, mais quentes...mais mel e canela.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo