E escolher a fruta, como deve de ser?!

Vi este link e dá sim senhores umas boas dicas.
Eu já conhecia metade mas de certo ainda há por aí quem não saiba.




Agora acrescento mais umas dicas que uma pessoa vai ouvindo e que até vão dando certo.
Cá em casa consumimos essencialmente fruta da época e tentamos sempre comprar português e de preferência biológico e directamente do produtor. A parte boa de falar com os produtores é que muitas vezes se consegue negociar o preço ou se traz mais uns bónus para casa e claro eles ensinam uns truques. Então cá vai disto:

Os abacates:
Diz que devem estar rijos ao toque e que ao abanar se deve sentir o caroço solto lá dentro.
Não é fruta que se coma muito por aqui mas na ultima fase da coisa tivemos uma enchente e confesso que acabei por pôr uns quantos fora por não os saber escolher e os deixar tempo de mais a madurar. A dica funciona.

O limão:
Escolho sempre os mais bonitinhos e com casca direitinha.
Antes de usar rolo-os na banca da cozinha e bato os cús para aproveitar melhor o sumo. Diz que se for ao microondas por 1 minuto ainda se aproveita melhor mas nunca experimentei.
Nunca guardo nenhum citrino de um dia para o outro.



A manga:
Esta para mim é difícil, tanto gosto das mais rijas como das mais moles e doces, assim sendo procuro sempre as mais avermelhadas e de casca direita, sem mossas para não ficarem logo todas castanhas por dentro. Uma coisa que já reparei é que se a manga estiver a colar ao toque não é grande coisa, na maioria dos casos não têm sabor e é muito fibrosa.

Os morangos:
Compro de preferência quando não vêm já embalados, procuro os que têm melhor cheiro e os mais pequenos e avermelhados.

As maçãs:
Muito fácil, as verdes gostamos delas ácidas e rijas, ou seja apalpar e trazer as mais verdes. Das restantes qualidades é trazer as mais feias, com picadas e pouco redondas.

Os figos:
Só gostamos dos de pingo de mel, ou seja, é ver se estão meios moles e se têm mel na parte de baixo e o pingo de leite no caule.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo