Eu ia comprar livros mas depois pensei...

...mas eu tenho livros, mais, montes deles!
Eu tenho um sério e grave problema com livros. A determinada altura fartei-me de emprestar livros para nunca mais os ver e então decidi nunca mais emprestar livros. Espero que a pequena tenha este gosto puxado para o vício por livros e por isso sempre tive a ideia de que quando fosse mãe as crias iam ter livros desde pequeninos como eu sempre tive. Assim que a sacana começou a prestar atenção a tudo o que lhe dizemos comecei a achar que era hora de introduzir na nossa quase rotina a hora do conto e vai daí comecei a pesquisar as opções de livros à venda por essas livrarias a fora. Tirando a parte de que ainda estou à espera que a ss me pague (outra vez) também dei conta, como já sabem, que não estava a ser fácil encontrar o tipo de livro que pretendia ou porque a história tinha muito diálogo, ou porque os desenhos eram feios ou porque o conto em si era pobre. Triste da vida já pensava ern ir à biblioteca alugar uns livros de vez em quando me lembrei, porque é que não vou lá a casa e caço is meus?
Simples não?

Já sabemos todos que esta Carpideira têm a mania que é esquisita não é?
Pois, estive 3 dias a pensar se o devia de fazer ou não e porquê pessoas?
Porque morro de ciúmes dos meus livros, fazem parte da minha história, são meus, MEUS!
Mas pronto, já passou, pedi à minha mãe para os caçar por mim e não me arrependo, devo confessar até que ando deliciada com a nossa hora do conto, eu pego nela enquanto ele lhe lê o livro e é um momento simplesmente delicioso.
Ainda não os tenho todos mas a minha mãe já me trouxe umas Anitas, uns quantos de uma colecção que têm duas histórias e que eram acompanhados de cassetes, sim cassetes, com uma história de cada lado e ainda foi desencantar não sei onde o meu tão lido livro dos contos.
De notar que algumas das Anitas já tinham sido da minha mãe e agora ainda vão ser da minha filha, é bonitinho não é?



Ainda no alto do meu ciúme pensei que ela me ia estragar os livros todos, rasgar, pintar, riscar e sabe-se sei lá mais o quê. Passou assim que os comecei a abrir. Digamos que não tenho moral nenhuma. 
E assim se resolve o problema. 
Claro que ela vai ter os dela, novos e a cheiras a papel novo, estou deseja de ir a uma feira do livro, afinal desde que a minha mãe deixou de me comprar as Anitas já devem ter saído umas quantas não? 





Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo