É a caça à mama

Depois do tão observado post sobre o não saber se iria ou não amamentar eis que surge este em jeito de afinal-a pressão-Existe-mas-é-por-outro-motivo, ainda grávida ouvia e lia outras mães a dizer que existia uma forte pressão para o uso da fórmula em vez da mama claro está que esta pessoa esperou um mês para poder dizer isto com causa justa e cá vai.
A pressão existe mas não é para o uso da fórmula mas sim para a quase que obrigação de amamentar.
Está certo que existem sei lá quantos estudos que indicam que a amamentação previne doenças e ajuda a mãe a recuperar, que é uma alimentação completa e perfeita para os bebés, o que faz sentido. Depois existe o lado de que é mais barato e ajuda a emagrecer. Existe até uma organização mundial para a apoiar a amamentação. E está certo. Somos o único mamíferos que após a idade do desmame continua a beber leite e que ainda por cima não é leite humano. Mas este incentivo é tanto que se torna perseguição. Dizem que apoiam e ajudam e ensinam e tudo mais e é tudo muito bonito mas falha. Assim que ela nasceu e apesar de não saber se o queria fazer ou não tive a intenção de amamentar. Também não me tinha valido de muito não querer porque quando dei por mim tinha duas enfermeiras as voltas com a minha mama e a cabeça da minha cria. E aquilo foi tão fofo, simpático e educativo que eu fiquei com a mama dorida e ela com a cara toda vermelha e um dedo marcado de cada lado da cara. Nunca em momento algum me disseram como deveria fazer, qual era a técnica ou o que devia sentir, nada, simplesmente me disseram 2 dias depois que era a escolha mais em conta e para não ser parva de lhe dar biberão. Considero que amamentar é de facto a melhor opção mas não assim, não na base do chamar a uma mãe inconsciente e fazer com que se sinta mal e fique a achar que é uma má mãe só porque prefere dar o suplemento. Existem mães que não conseguem amamentar, ponto, seja porque o bebé não pega, seja porque ficam doentes, porque não têm leite ou por ter tido necessidade de tomar algum medicamento, estas mais nem sequer opção de escolha têm e a esta nova sociedade pró-amamentação serve apenas para que se sintam mal, na merda de facto. Eu tive alguns problemas ainda não totalmente resolvidos porque a miúda não está a engordar como deveria, estou crente que no início o problema foi mesmo por falta de conhecimento e má informação. No hospital disseram-me para dar só de uma mama em cada mamada e na seguinte dar a outra e foi o que fiz só que parece que ela não ficava satisfeita e basicamente passava fome. Já estava a ficar frustrada com a pergunta " ela não têm fome?" Que toda a gente me fazia ao ver a gaja chorar apesar de ter estado 40 minutos a mamar. Até o truque para a tirar da mama tive que aprender pelo YouTube. Fui muito mal apoiada por quem me deveria ter apoiado apesar de ter recebido bastante apoio das minhas seguidoras fofinhas que me foram dando dicas. Mas tirando esta parte fica a pergunta, porque raio é que a sociedade em geral agora deu para olhar de lado as mães que não dão mama como se fossem criminosas?
Passamos a ser más mães por não ter prazer algum em andar com as carrapatas atracadas às mamas?
O que importa não é o leite materno?
Porque raio é que não fica bem extrair e dar de biberão?
Custa-me esta insistência fulminante porque na maioria das vezes vem de quem já passou por lá, por quem sabe o que é estar umas 8 horas dia sentada de mamas para fora, por quem sabe o que dói os mamilos rachados, as mastites e as mamas cheias. E não percebo a atitude de falta de compaixão, não percebo como é que nos dizem que amamentar é lindo e único e arco íris e raios de sol, amamentar não é assim tão simples e bonito. É estares preso a uma pessoa da qual não queres fugir sob pena de a matares à fome se deres a fuga. É saberes que te vai doer os mamilos mas persistir, que devias ir tomar um banho quente para aliviar a tensão mas não podes porque está quase na hora da próxima mamada. É dormir mal ou não dormir de todo. Sim porque a conversa do dorme quando o bebé estiver a dormir não serve, não serve ter que amamentar de 3 em 3 horas, ficar sentada 1 hora, demorar mais 1 para convencer a cria a dormir e 1 hora depois estar acordada de novo para repetir, eu não sei quanto a vocês mas para mim dormir às mijinhas não serve para descanso. É absolutamente stressante e cansativo e no final das contas se alguma coisa corre mal é porque a mãe fez merda e não é capaz. Não está certo. Ou é porque o leite não presta ou porque não é suficiente. Posso dizer que eu já me sinto bem cansada e ainda vamos no primeiro mês, sei que vai melhorando porque a técnica se vai interiorizando e porque as mamadas vão ficando mais distantes umas das outras o que permite dormir mais mas não deixa de ter sido exaustivo. As pessoas deviam ter isto em conta antes dos olhares de lado, deveriam aceitar  decisão de uma mãe fosse qual ela fosse porque no fundo todas as mães querem o melhor para os filhos não é?
Só que para eles terem o melhor têm que ter uma mãe que goste de si, que esteja tranquila e descansada. Nem sequer é pôr as nossas necessidades à frente das deles mas sim saber que para lhes darmos o melhor temos que estar no nosso melhor e parece-me que é isso que esta sociedade não consegue admitir e validar.

2 comentários:

  1. Olha, lá por casa a mais velha não pegou na mama, por isso o leite era extraido com a bomba e ela bebia através do biberão. Agora com os pimpolhos mais novos, ficou o trauma da mais velha e nem se insiitiu muito... Vai de bomba e biberão e toca a andar...

    Já agora, a mais velha tem ano e meio, e hoje em dia nem uma constipação mais agrassiva tem, deve ser sinal que os anticorpos passaram na mesma, não é?

    ResponderEliminar
  2. Espero sinceramente que sim porque assim que consiga criar uma rotina tenciono adoptar esse sistema também.
    Parece-me muito mais prático e assim também se fica com uma melhor noção do que ela come.
    E essas pestes estão a portar-se bem?

    ResponderEliminar

Carpida á vontade que logo eu vejo