Quero saber de ti

Quero ver-te.
Ver-te com os olhos e cheirar-te.
Quero saber de que cor és, a que é que soas.
E é isto.
É a única coisa que importa.
E por mais que me apeteça contorcer o entre pernas de cada vez que penso que estás cada vez mais perto de nascer, passa rápido porque quase que instantaneamente vêm-me à ideia que te vou ver.
E quero saber como será o teu sorriso, como vão ser os teus lábios.
Ah pequena ruim não podias ter mostrado mais que um olho e expressão de quem diz mas-que-é-que-se-passa-aqui?
Eu nem fazia questão de ir à tal eco 3d mas fomos e claro que nos mandaste cagar.
Problema é que desde aí que te imagino, tipo puzzle, os olhos deste e o nariz do outro.
O teu pai diz todo feliz que o nariz é igual ao meu, não percebo o que é que o dele têm de mal, eu gosto.
Mas quero-te aqui, do lado de fora e não é só porque me pesas que nem pedras é porque sou curiosa e quero saber de ti, das tuas curvas e gordurinhas, das tuas rugas e unhas grandes.
Não me sinto nervosa, sinto-me ansiosa de te conhecer, de te reconhecer, de poder depositar-te no colo dele e consolar-me a ver o quadro romântico.
Ah caramba!
Já chegou Dezembro!?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo