Era uma vez uma peça de roupa


Sou só eu ou vocês têm o mesmo problema?
Eu não sei, mas sinto-me uma traidora de cada vez que tenho que pôr roupa velha fora.
Tento sempre dar a alguém, instituições ou vão direitas para aqueles contentores de roupa mas existe um limite para as dádivas, não vou dar uma coisa que não quero porque está realmente usada, velhinha, manchada, desbotada, sem forma, enfim vocês sabem.
O truque é mesmo rápido, pôr no saco, fechar e gritar:
- Amor, leva isto para o lixo rápido!!!!
E tentar esquecer.
Mas há certas peças que não se esquecem e nós sabemos.
Confesso que tenho algumas guardadas, porque foi o vestido que usei da primeira vez que saímos juntos, porque eu cabia lá dentro e quero voltar, porque foi a madrinha de longe que deu, porque foi a avó que fez, porque o tecido dá para fazer alguma outra coisa...enfim, todas as razões são admitidas.
Não tenho muitos destes casos perdidos, devo ter uns 7, vá e tenho tudo guardado em casa da minha avó onde há espaço para isso.
Mas será mesmo necessário esta forma de medo de perder alguma coisa?
Porque raio é que guardamos coisas desnecessárias?
Se são inesquecíveis porque é que as guardamos?
Temos assim tanto medo de esquecer ou apenas nos agarramos a coisa e momentos felizes como se mais nenhum fosse acontecer?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo