Grávida, mamã, bolinha, barriguita, barriguinhas...

Ora vamos cá a ver uma coisa, grávida é grávida, ponto.
Não estou a perceber muito bem porque raio é que lá porque uma barriga fica redonda se passa de ser  A PESSOA X para ser um sem fim de nomes pseudófofos sem qualquer tipo de inteligência (tirando o prenhe), isto devia de ser considerado uma espécie de bulling. Passei pela fase do achar estranho, para a fase do achar que me estou a burrifar para agora achar ofensivo, sim, é mesmo isso, ofensivo e irritante. É que nunca tive nenhum outro nome para além do meu e nunca me dei muito bem nem com o típico diminutivo do meu nome próprio, digamos que a única associação que consigo fazer é o de uma qualquer quenga dos subúrbios brasileiros (ao menos podia ser uma puta chique mas não) e agora, ao fim de estes anos a lutar por não deixar um qualquer nome, alcunha ou apelido se apoderar de mim chego a este ponto. E pior, as pessoas têm a tendência a sorrir desmesuradamente enquanto prenunciam a tão infeliz palavra (as) e inclinar a cabeça para um dos lados o que se torna, ainda mais irritante.
Resumindo, comigo, podeis fazer uma de duas coisas:

1- Esquecer todo um vocabulário quase que ordinário e ronhónhó e deixar-me ser feliz com o nome que meus ricos pais me escolheram.

2- Proferir tamanha palermice, enquanto inclinam essas cabeças tontas e pesadas com tal estupidez e de caminho levar com uma resposta torta.

A escolha é vossa sim?!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo