HAPPY mais um ano para mim

Pois diz que é verdade, hoje é dia de contar mais um ano nesta vida.
Não sou pessoa de gostar de beijos besuntados de aniversário, não faço festa á uns bons ano, contento-me em ver a mesa de jantar cheia e um bolo com uma velinha e pronto está bom (atenção, não confundir com falta de vontade de receber presentes, se fizerem questão eu mando a morada).
Não, não vou dizer quantos faço, mas digo que este ano caso comigo própria ou raio que valha. Acho que já levo idade suficiente para dizer quando-eu-era-pequena e ao mesmo tempo ainda-me-falta-muito-para-velha ou seja é aquela altura que tudo conta e ao mesmo tempo não se é nada, quer dizer, somos adultos certos mas jovens! fico confusa!
Diz que é aos trinta que uma gaja se sente confiante consigo própria, segura e realista, enfim, conclusão, acho que vou passar bem mal
Chego á idade em que me dizem com ar sério que já está na altura de ter filhos, como se o meu prazo de validade fosse expirar a qualquer momento ao que eu respondo, "depois vou deixar lá na tua casa para tomares conta".
Estou certa que com este tempo que aqui ando a respirar sozinha já posso fazer um balanço, resumindo, já perdi, já ganhei, aprendi e ensinei, vivi e deixei viver, ri e chorei e todas as demais coisas e seus antónimos em geral sou feliz, uma beca revoltada e revolucionaria, destravada e crente, irónica e rebugenta, com a puta da mania que tenho de inventar e transformar as coisas, problemas portanto...
Assim sendo e como não vivo a olhar para o meu umbigo e não sou convencida ao ponto de achar que faço tudo isto de SER sozinha acho que o principal hoje não é os anos, o bolo ou as prendas (mas se quiserem estão á vontadinha) o importante é agradecer a quem de direito, cá vai:

-Aos maus pais por terem feito só uma de mim, assim com tudo e super sexy (já posso começar a ser confiante certo?)
- Aos meu avós por me mostrarem os pilares disto que é a vida, a família, da amizade e da partilhar
-Ao meu mano por me ensinar a ser paciente, por dizer que me ama e por me encher o coração.
-Á minha família apêndica por me darem a razão de dizer que os sogros não são feras nem as sogras precisam de vassoura.
-Ao meu Amodes por me amar e me deixar amar, por me manter numa relação confiante e segura, confusa para muita gente mas que nos serve como nunca nenhuma outra o fez antes.
-E, claro, aos meus amigos, em especial a Pon por ser uma constante na minha vida (mesmo que não me ligues e tal) e aos animais principais de meu zoo, Macaquinho (não sei como teus pais conseguiram pôr tanta coisa boa nesse condensamento todo) e Furãozinho (sua peste ruim com mania que é mau e forte, para o ano é bom que constes na lista, percebeu?)

 É isto, obrigado, adoro suas pessoas quase tanto quanto a mim mesma e paciência que pode ser que isto tudo passe com a idade, tipo os Labradores quando fazem 2 anos.

Ah, tenho de partilhar que este ano até parece que fico mais nova, e porquê?
Porque a tonta andou um ano a dizer, e convencida do que dizia, que este ano fazia 29 e afinal era menos um, juro, tive de ir fazer a conta de máquina de calcular (imaginem isto ao 60 MEDO)


Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo