Não há vida sem eles



Hoje a casa esteve cheia.
E toda a gente sabe que adoro a casa cheia.
O meu zoo vai ficar mais pequenino na teoria e foi esse o motivo da festa.
Hoje festejamos a amizade, festejamos o facto de apesar dos problemas do trabalho e no trabalho termos isto, termos com quer partilhar isto que é ser adulto. a vida. os sorrisos e as tristezas, sempre e por mais forte que uma pessoa goste de ser é bom saber que a determinada altura esta gente com quem passamos a maior parte dos nossos dias sabe ler nas entre linhas e perceber o que vai cá dentro.
Por isso é importante festejar.
É importante dizer que estamos cá uns para os outros independentemente de as grandes patentes nos fazer dispersar.
Quero com isto dizer que apesar da trabalheira que deu, apesar de não sermos assim tão bons a fazer surpresas, apesar de termos de te ter mentido e inventado ai umas coisas, epá, vai fazer falta, vais-me fazer falta no meu todos-os-dias-que-tenho-de-ir-trabalhar e eu sei que lá no fundinho não só sabes que é verdade como adoras-te esta casa cheia de coisas e pessoas que fizeram questão de vir festejar contigo isto que é ser amigo.
Por isso, meu furãozinho de estimação, mesmo que fiques perneta, apanhes sida ou vires gay eu estou cá, agora com um coração triste por não poder fazer nada contra esses ladrões de horas laborais felizes, mas sempre, sempre feliz porque, como já te disse, se houve coisa que este trabalho me trouxe que só por si já vale todas as dores de cabeça e stresses, essa coisa és tu, esta partilha, esta amizade que vai morrer de saudades mas que espera que a saudade não faça esta amizade morrer.
Vá, agora já podes chorar muito.

P.S.- Restante zoo, é favor não ficarem com ciumes tá.
P.S.-Macaquinho, és o melhor cozinheiro/ajudante/arrumador de cozinha de todos os jantares.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo