Paris #3

Dia 3 em Paris, chuva e sem sol para variar.
Saímos direitas a Notre-Dame, não era eu se saia daqui sem conhecer a casa do Quasímodo.


Mal lá chegamos demos com isto:

video

Fiquei logo em modo OHHHHHH que fofo pá!!
(sempre agarradinha á mala não fosse manobra para a esventrar sem eu dar por ela)
Levanto os olhinhos e taram, lá estava ela, mais pequena do que julgava mas mesmo assim linda de morrer com os seus vitrais e esculturas talhadas.



E nos seus cantos lá estavam eles, os fieis amigos do corcunda mais famoso de todos os tempos e até eram bem parecidos, julguei que teriam um ar mais aterrorizador e mais uma vez que fossem maiores.




Uma coisa que nunca me tinha chamado á atenção nos livros de história foi as portas, lindas!!




No meio de um sem fim de santos que uma gaja que não é ligada á religião nunca tinha ouvido falar aparece o nosso padroeiro, stº António o casamenteiro, Maria Carpideira entre logo em modo vamos-lá-ver-se-a-Sócia-casa-para-o-ano e diz:
-Não tens 2€? acende uma vela que diz quem acredita que ele faz milagres para quem quer casar!!
E Sócia, com seu anel de noivado no dedo, vasculha a mala em busca da dita moeda, a moeda aparece, e lá se auto-paga uma velinha para pedir o mesmo desejo de todos quantos lá acenderam os seus sonhos (notem lá que as velas não são assim tantas quanto isso, mas ainda existem alguns que não vão nas tontas ideias de uma Carpideira e desejam casar).
Ao espécime masculino a quem se destina o desejo, informo que estás tramado, já não te safas pá...mas visto que fui eu que instiguei o crime, já me afereci para oferecer as alianças.


Seguindo caminho, encontro uma maquina que dispensa moedas em troca de 2€ eu lá troquei o meu euro e o da Sócia e trouxe a que achei mais bonita das 3, têm o ano gravado para depois na velhice não me dar a duvida do ano.


E o que é que fica mesmo ali ao lado e que uma gaja de jeito não podia falhar?
Ora bem, a ponde dos cadeados, note-se que uma gaja não acredita em santos mas os cadeados já é outra coisa!!
Primeiro pensamento foi:
-Isto deve pesar horrores, um dia vai a ponte a baixo!
Segundo:
-Eia a quantidade de chaves que deve de ir rio abaixo!!
Terceiro:
-Oi!! existe gente que amarrou cadeados em cadeados dos outros, ou seja andaram a amarrar as vidas noutras pessoas certos?!?! hummm?!?
Nunca tinha visto tanto cadeado junto, nem tanto nome junto, nem tanto desejo junto e quanto a isto, esperem por um post ;)


E lá ia ela linda e á chuva quando olha para o lado e vê isto :D
Ai opá!!
Tantas vezes que te vi em papel, prazer em conhecer-te!!


A pontinha da ilhota.


Quando entramos na ponte para chegar ao Louvre apercebi-me de que aquilo também tinha um sem fim de cadeados e fiquei na duvida se teria ou não tirado as fotos na ponte certa (parece que sim, esta é a segunda). Para além dos cadeados a monte estava uma enorme fita branca com umas frases escritas em várias línguas (não tinha português) e eis que a meio da ponte estavam umas belas moças a oferecer o mais novo perfume de Giorgio Armani um uma fitinha perfumada, óbvio que não me fiz de rogada e não contente em trazer uma amostra trouxe duas acompanhadas das respectivas fitas e ainda uma foto daquelas Polaroid que supostamente estavam a tirar só aos casais, mas eles não se iam negar a tirar uma foto ao trio maravilha não é!?
Informo também que gostei imenso do perfume, por isso a quem me queira oferecer uma prenda pode ser um destes.



Chegamos ao Louver, lindo, enorme, e eu louca para entrar, lanchamos com vista para as pirâmides, fomos perceber como funcionavam as entradas a ver se valia ou não a pena comprar o bilhete antes e acho que não me calei enquanto não comprei os bilhetes, segunda lá vamos nós.


Mais á noite e apesar da chuva molha parvos desencaminhei as outras duas do trio e fomos fazer geocaching, não me correu bem, para quem não sabe foi isto, ainda aqui estou toda torta, mas nada que me pare e hoje lá vamos nós outra vez, a ver se desta não me esvardalho ao comprido.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo