Feijoca

R.I.P. Feijoca

Esta semana começou com uma tristeza miudinha que teima em não desvanecer, cada vez que penso na coisa dá-me um friozinho na barriga, uma espécie de medo obscuro, estranho até para uma pessoa como eu que até á bem pouco tempo achava que não queria ter crias. Tudo começou quando soube que a minha prima ia ter bebé. Primeiro fiquei tipo em transe porque é uma miúda com uns quantos anos a menos e que eu vi literalmente crescer, mudei-lhe algumas fraldas e adormecia uma centena de vezes no sofá lá de casa enquanto ela com as suas mãos pequeninas me ensarilhava a juba até adormecer sempre a dar á xuxa como se não houvesse amanhã, depois porque dei comigo a pensar "bolas, por este andar vou ficar para tia", "ela é tão nova, mas a verdade é que ela é que está certa" e "caramba, está tão longe". Por fim fiquei super feliz, íamos ter mais um pequeno/a na família, mais uma cria para as bruxas babarem e mimarem. Posso finalmente ir ás lojas para pequenos dúpedes e comprar coisas fofas (e a rezar para ser uma menina para ter direito a coisas cor de rosa e com lacinhos e fitinhas). Praticamente todas as semanas falamos e estava a correr tudo bem, já tinha andado a ver viagens de avião para ir lá ter com ela e com a feijoca, pedi fotos e ecos e tudo o quanto fosse possível. Segunda quando falei com a minha mãe ela disse-me:
-Tenho uma coisa para te contar
com aquela voz que os filhos pensam logo "vai haver merda"
-A *** perdeu o bebé, a mãe dela ligou-me ontem para contar, sentiu uma dor e teve sangramento, foi ao médico e parece que o feto já estava morto á 3 semanas...

Ia a conduzir, pensei sériamente em parar o carro, senti-me a colar ao volante, reduzi, segui caminho, perguntei umas 3 vezes se era verdade, se ela estava bem...desliguei quando cheguei ao trabalho e fiquei a pensar naquilo, a entristecer, bolas pá!

Terça, quando cheguei á conclusão do que se tinha realmente passado dei conta que se eu estava assim, como é que ela estaria?
Ainda não tive coragem para ligar.
O que é que uma pessoa diz numa situação destas?
Óbvio que não deve estar bem, óbvio que não deve ter sido fácil passar pelo depois-do-aborto.
Tenho uma maneira de ser para estás coisas tão racional que ás vezes é confundido com frieza não faço a mínima como abordar o assunto, queria só poder ir lá, olhar para ela, abraça-la até a sufocar e fazer como de antes e adormece-la nos meus braços mesmo que isso queira dizer virar afro por momentos, não importa, mas estou longe, bolas para esta vida!!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Carpida á vontade que logo eu vejo